Queda registrada foi de 39%, com 4,85 milhões unidades vendidas contra 7,93 milhões no mesmo período de 2014.

O mercado brasileiro está em constante agitação pelo fato que o sinal a partir de maio de 2016 vai deixar de ser Analógico e passar para o Digital, mas isso não impediu do primeiro semestre de 2015 apresentar uma queda de 39% com relação à venda de televisores.

Para notar como essa queda foi considerável podemos pegar como referência o fato de que no mesmo período no ano passado foram vendidas exatamente 7,93 milhões (no ano todo passado o valor total chegou ao registro de 14,99 milhões), enquanto que no primeiro semestre de 2015 esse valor chegou a 4,85 milhões, conforme dados da Associação Nacional de Fabricantes e Produtos Eletroeletrônicos (Eletros).

Agora qual foi a razão dessa queda?

Um dos motivos mais nítidos é fato da ocorrência no ano passado da Copa do Mundo e juntamente com isso os consumidores preferiram realizar a compra antes do evento para ver os jogos da seleção brasileira em alta definição.  Fora isso ainda temos a atual crise econômica que o país está passando e que causa um impacto significativo direto na vida do consumidor.

A televisão antes era considerada pertencente a “linha marrom” e atualmente ela é vista como um “produto nobre”, ou seja, junto com as revoluções dentro da renovação tecnológica encontramos aparelhos com os mais diversos tipos de definições e recursos que agradam um público consumidor caracterizado pelo fato de gostar de ter e substituir os seus aparelhos a cada temporada.

Fora os televisores, outros produtos ainda tiveram uma queda nas vendas como os fogões, os refrigeradores e as lavadoras que no primeiro semestre do ano passado conseguiram vender 8,3 milhões de unidades, enquanto que agora em 2015, também durante o primeiro semestre, esse valor chegou a apenas 7,43 milhões de unidades, ou seja, uma queda de exatamente 11%.

Os processadores, os aspiradores, as cafeteiras e os ferros de passar também passaram pelo mesmo tipo de redução em relação do primeiro semestre de 2014, sendo que nesse período foram vendidas 25,6 milhões de unidades, enquanto que em 2015 foram apenas 20,6 milhões (redução de 19%).

Uma coisa é certa, acredita-se que com a alta divulgação pelo governo e também com a aproximação da troca para o sistema digital ocorra um aumento em torno de 60% dos televisores.

Por Fernanda de Godoi

Venda de TVs

Foto: Divulgação


As emissoras passarão a ter somente sinal digital, em substituição do sinal analógico, e para acompanhar essa mudança é preciso ter um dispositivo com a capacidade de captar ou transformar o sinal digital para o seu televisor.

Com o avanço da era digital, nem mais o sinal de TV escapa. O novo sistema de sinal, chamado de HDTV foi ao ar oficialmente pela primeira vez no dia 2 de dezembro de 2007, às 21h20, na cidade de São Paulo.

A partir de maio de 2008 começou a campanha para a popularização do sinal digital no país. A intenção seria substituir o sinal analógico, que apresenta falhas e interferências, pelo sinal digital, livre de interferências e com alta qualidade de imagem e som.

A campanha foi um sucesso e atualmente grande parte das TVs abertas do país já transmitem suas programações em dois formatos: o digital e o analógico.

A adesão ao formato digital foi tão grande que algumas emissoras, como a Globo, por exemplo, anunciaram que até o final do ano interromperão a transmissão de seus sinais digitais, substituindo-os completamente pelo sinal analógico.

O problema é que nem todas as TVs possuem a capacidade de receber ou converter o sinal digital. Existem dois dispositivos com a capacidade de captar ou transformar o sinal digital para o seu televisor:

– O receptor digital: É ele que deverá ser instalado nos televisores mais antigos. Ele capta o sinal digital e reproduz naturalmente em seu televisor. Mas o sinal é transmitido sem a excelência digital completa. Esse dispositivo deve ser utilizado para que você continue recebendo o sinal da emissora

– O conversor digital: Ele irá receber o sinal e convertê-lo para o formato digital. Esse equipamento já está presente em todas as TVs mais modernas, mas se você possui um modelo antigo que não tenha essa peça é possível comprar o modelo externo, que oferecerá o mesmo sinal para você.

O importante nesse momento de transição do sinal de TV no Brasil é não ficar de fora das inovações. Se a sua TV ainda não possui o equipamento necessário para converter o sinal, é altamente aconselhável adquiri-lo. Pode ser  o fim das “ajeitadinhas” na antena para uma melhor recepção de sinal, ou das interferências por causa de chuva ou vento, por exemplo.

Por Patrícia Generoso

Receptor digital

Conversor digital

Fotos: Divulgação


 

A Sharp aproveitou alguns dos principais eventos do ramo de tecnologia que vêm acontecendo para mostrar algumas das suas novidades, que chegará ao mercado nesses próximos meses. Dentre as principais novidades da empresa está a primeira linha de televisões em 3D com 80 polegadas, chamada de: LC-80LE844U. Será a primeira televisão que vai utilizar a tecnologia Quad Pixel Plus da Sharp. Assim, a tv promete imagens mais reais e definidas, já que a novidade foi desenvolvida pensando na forma como o cérebro humano processa as informações. Outras funcionalidades poderão ser vistas, como a  tecnologia Wifi, para comunicação com outros equipamentos, além de quatro portas de HDMI e uma nova interface desenvolvida exclusivamente para as televisões da Sharp. A previsão é que a TV em 3D de 80 polegadas chegue no mercado dos EUA no mês que vem.





CONTINUE NAVEGANDO: