Os grandes tempos das locadoras de vídeo foram superados pelo comércio atual de DVDs, em que é possível a aquisição de um título por incríveis R$ 9,90. Os lançamentos mais recentes desse formato (mais caros também), por outro lado, não afastam a intenção de compra dos consumidores, que veem a grande oportunidade de guardar para toda vida filmes que marcaram um ou mais períodos de suas vidas.

Da migração do VHS para o DVD muito mudou. Atualmente, a tecnologia Blu-ray tenta imperar no Brasil. Alguns discos ainda são caros – a maioria – e a utilização dessa nova modalidade ainda não tem interessado a população. Por essas e outras questões é que a LG Electronics anuncia o BD550, que permite a reprodução de vários formatos (DVD, MKB, DivX High Definition e Blu-ray Disc).

Com o aparelho o usuário ganha nova experiência, pois por meio dele é permitido acesso a conteúdos da rede mundial de computadores nas mais diferenciadas plataformas, desde YouTube e Picasa a AccuWheather.

A inserção da tecnologia Blu-ray deve começar a crescer no país em 2011, sobretudo porque aos poucos os antigos televisores são substituídos por TVs LCD e LED de alta definição, atraindo o interesse do público por imagens mais perfeitas.

Parte dos canais de TV abertos e pagos já possuem esse conceito (HD).

Por Luiz Felipe T. Erdei


Assistir a um filme em casa antigamente era sinônimo de reunião familiar. Bastava, para tanto, ir a uma locadora, escolher entre os inúmeros gêneros disponíveis (suspense, terror, drama, comédia, ação, aventura etc.) no formato VHS, voltar para o lar, estourar pipocas e permanecer por uma ou mais horas em frente aos televisores de tubo.

Na atualidade, poucas são as locadoras que têm VHS, com o DVD em evidência. Desde 2006, porém, o mundo foi surpreendido com a nova tecnologia blu-ray, que prometia, efetivamente, maior qualidade de áudio e vídeo.

E realmente isso é uma consideração transparente, vívida.

Contudo, contrariando as perspectivas dos fabricantes desses aparelhos, as vendas não emplacaram em alguns países e representaram, como um todo, 15% de participação no mercado, perdendo justamente para seu antecessor, o DVD. A justificativa para essa recorrência são os preços, tanto dos aparelhos como dos discos.

Apesar de crescimento nas vendas em território brasileiro nos últimos meses, dados da consultoria GfK assinalam que entre janeiro e agosto de 2010 a comercialização de players saltou 300%, mas ainda sim representam apenas 4% das vendas.

Na visão de Marcelo Zuffo, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), o preço do disco ainda é um entrave no país. Enquanto, em 2010, uma unidade fora comercializada por R$ 72, em média, um DVD saía por R$ 19.

Esse nicho ainda é uma incógnita. A maior venda dependerá, basicamente, de ações de marketing e preços mais baixos.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Estadão


Cresce a venda de players 3D Blu-ray e se populariza cada vez mais os televisores 3D, consequentemente o mercado se volta para o lançamento de filmes que utilizem essa tecnologia, fazendo com que grandes estúdios criem estratégias para fornecer filmes compatíveis com essa tecnologia, aqui no Brasil.

Está previsto para serem lançados filmes em solo brasileiro, no final do ano. Os estúdios da Sony e Universal já estão se mobilizando para lançarem em Blu-ray 3D filmes como o Bicho vai pegar da Sony Pictures e o recém lançado nos cinemas, Meu Malvado Favorito da Universal.

Outros estúdios, entretando ainda não tëm previsão de lançarem filmes com essa tecnologia no Brasil.

Por Carla Caldeira


Se você teme que os seus DVDs preferidos não poderão ser vistos na TV3D, não se preocupe. As TVs 3D devem manter a compatibilidade com a programação normal e os DVDs sem recurso 3D. Ou seja, quando a programação não for 3D as imagens serão exibidas normalmente em 2D. Isso também vale para os DVDs antigos.

Para ver filmes 3D em uma TV 3D será necessário comprar um aparelho ou home theather compatível com a tecnologia. Ou seja, filmes em 3D só poderão ser visualizados corretamente numa TV 3D se for usado um aparelho blu-ray 3D compatível com a TV.

Quem tem um tocador blu-ray convencional poderá assistir a um filme 3D nesse aparelho. Mas assim como no caso da programação televisiva, as imagens serão vistas em 2D.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: iG


O cinema 3D não é novidade. A tecnologia já existia desde meados do século passado. Mas os altos custos e falta de salas com a infraestrutura necessária, principalmente em países emergentes como o Brasil, fez com que as empresas diminuíssem cada vez mais os investimentos.

Com a chegada da TV 3D, o cinema 3D não estará mais sozinho nessa escalada. Graças à tecnologia digital, que barateou a produção dos filmes, o 3D virá com força para conquistar seu espaço. A principal diferença entre o cinema 3D de hoje em relação ao de décadas atrás é que ele não ficará restrito às salas de exibição, e aportará massivamente nos lares mundo à fora.

Ou seja, mesmo em cidades que não contam com cinemas capazes de exibir o 3D, as pessoas ainda poderão assistir o mesmo filme em seus televisores FULL HD. Até lá o Blu-ray, outra tecnologia emergente, certamente estará totalmente disseminado. E o resultado será uma qualidade de imagem jamais vista.

Por Maximiliano da Rosa


O evento acontece em São Paulo, e traz as principais novidades da marca para o Brasil, neste ano. E promete uma revolução em matéria de entretenimento. Novos modelos de TV 3D deverão ser lançados em até o final de Abril, além de players para Blu-ray.

Um dos destaques, pertencentes à série 7000, deve ser lançada em Julho e tem como maior apelo de venda a capacidade de transformar imagens de duas dimensões em 3D, ou seja com ilusão de profundidade.

Outro destaque, a linha 9000, são modelos 3D de LED e Plasma. Com design ultrafino (menos de 1 centímetro), elas terão versões de 40 e 46 polegadas e o tamanho menor custará cerca de 6000 reais.

Ambas as séries contarão com conversor digital integrado, e a possibilidade de gravar programas em qualquer dispositivo de armazenamento externo que possua conexão USB. Além disso, o controle remoto tem o estilo de um smartphone, com tela sensível ao toque e pré-visualização do canal escolhido.

Por Maximiliano da Rosa





CONTINUE NAVEGANDO: