Segundo a empresa, o primeiro programa de jornalismo deve ser lançado em 2016, tendo Chelsea Handler como apresentadora.

A Netflix planeja investir em jornalismo nos próximos anos. A empresa mostrou interesse em atuar também com esse nicho em sua programação. 

A informação foi dada durante uma conferência internacional. O fato é que a Netflix já tem vários consumidores, está fazendo um grande sucesso, além de ser a criadora de séries originais como, por exemplo, House of cards, Narcos e Demolidor, entre outras. Sendo assim, nos próximos dois anos, o grupo deve ter em seus conteúdos algumas programações de notícias.

O CEO da Netflix, Ted Sarandos, afirmou que nesse mercado as notícias da empresa serão mais ousadas, um diferencial em relação aos outros grupos de comunicação. Tudo indica que, nos anos que vem por aí, a Netflix vai estar fazendo frente a HBO.

A Netflix está, de acordo com Sarandos, investindo e estudando vários projetos para que a plataforma de jornalismo possa ser uma das melhores do mundo; lembrando que a empresa já está investindo em documentários, afinal a tendência é realmente ampliar, cada vez mais, a programação, de modo a alcançar todos os perfis de clientes.

A Netflix focará em quase todo o tipo de informações de cunho jornalístico, salvo programações de natureza esportiva. Sarandos comentou que as atividades esportivas só funcionam melhor quando são ao vivo.

Pois bem, o primeiro programa de jornalismo deve ser lançado já em 2016. A apresentadora do programa, por sua vez, será a comediante e apresentadora de sucesso nos Estados Unidos, Chelsea Handler.

A empresa, bem como o grande público, estão com boas expectativas em relação a esse novo investimento da Netflix que, sem dúvida, vem surpreendendo todos a cada ano que passa. No mais, além do jornalismo, vale informar ao público brasileiro que a empresa também está produzindo uma série totalmente brasileira, com o nome de 3%. Vamos aguardar as surpresas da Netflix. 

Por Madson Lima de Oliveira

Netflix


A febre do 3D se espalhou rapidamente pela mídia. Não ficou relegada exclusivamente ao ambiente doméstico com as TVs. Jogos de computador, o Cinema, smartphones, consoles, revistas, jornais. Parece que ninguém quer deixar de aproveitar de faturar uns trocados com a tecnologia.

Depois da Playboy, e do tabloide inglês The Sun, agora quem quer entrar na brincadeira é o jornal americano Philadelphia Inquirer. A publicação especial utilizando a tecnologia 3D deve ir para as bancas no dia 13 de Junho.

Assim como acontecerá com outras publicações, a edição sairá acompanhada de um óculos especial para ver as imagens.

O investimento na tecnologia se justifica, dado o interesse das pessoas no assunto. Para se ter uma ideia, o primeiro jornal no mundo a se aventurar por esse caminho, na Bélgica, conseguiu vender 20 mil exemplares a mais.

E como ocorre no cinema, espera-se que o conteúdo não seja esquecido.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Portal Imprensa


Qual é a diferença entre ler uma noticia em um telejornal, e ouvir a notícia em um noticiário? Nenhuma, certo? Contudo, cada meio de comunicação provoca uma atitude diferente em você.

Ao ler o jornal, você imagina a notícia em sua mente, como ela deveria ser. Já ouvindo a notícia pela televisão você vê como ela aconteceu (ou provavelmente).

E não precisa ler e ter o trabalho de imaginar, apenas ouve e assiste passivamente. Sem dúvida não há nenhuma diferença entre as duas formas de saber de uma notícia, a diferença está na comodidade.

Jornal ou televisão, os dois meios divulgam a notícia, não há diferença entre um ou outro, o que há é a imaginação de um lado e comodidade de outro.





CONTINUE NAVEGANDO: