A Lenoxx Sound, empresa conhecida por sua atuação no seguimento de equipamentos de áudio (com linhas para Home Audio e Car Audio), acaba de ampliar a sua gama de produtos com o lançamento da sua nova linha de televisores LCD.

Por enquanto, a atuação é em nichos específicos de mercado, o que é confirmado pelo seu modelo TV-650. Trata-se de uma TV LCD com tela de apenas 7 polegadas, que pode ser usada como monitor de vídeo.

O equipamento é bastante simples e não oferece recursos avançados como os encontrados em outros televisores LCD. Apesar disso, o grande diferencial do produto está no tamanho desenvolvimento especialmente para aplicações que requeiram uma TV de pequenas proporções, como na cozinha de uma casa ou em um acampamento.

A TV-650 pode ser conectada à rede elétrica de 110/220 volts ou ao acendedor de cigarros do carro (já que vem com adaptador para ambas as funções).

O aparelho sintoniza canais nas faixas VHF e UHF, oferece entrada de áudio e vídeo, saída para fone de ouvido, Timer, alarme visual, calendário, game (com um 1 jogo), compatibilidade com PAL-M e NTSC, controle remoto, base flexível e antena telescópica (possui também entrada para antena externa). A potência de áudio é de apenas 0.5 Watt, em um único canal.

Um recurso incomum do modelo é a possibilidade de inverter a posição da imagem, tanto no sentido vertical como horizontal. Segundo o fabricante, isso permite que o televisor seja instalado em qualquer lugar, até mesmo de cabeça para baixo.

Mais informações podem ser encontradas no site www.lenoxxsound.com.br.

Por Luiz Moreira


Ao decidirmos comprar uma televisão podemos ficar com dúvida sobre qual modelo devemos adquirir: Plasma ou LCD?

Ambas apresentam alta tecnologia, e também apresentam vantagens e desvantagens, em sua elaboração e na utilização do produto.

A TV em Plasma apresenta uma durabilidade de até 5 anos aproximadamente, ângulo de visão mais amplo, com um tamanho tela de 65", conforme o modelo, com cores bem vibrantes, como informa o site info.abril.com.br. Seu consumo de energia é alto se comparado a outra TV, como verificamos no vídeo. Em ambientes claros ela fica opaca, prejudicando a imagem, e ainda em seus aspectos negativos, a TV em Plasma apresenta o efeito burn-in, onde a tela é manchada definitivamente, problema causado por imagens estáticas, como explica Paulo Diniz, professor da Escola Politécnica da UFRJ.

Já a TV LCD apresenta a desvantagem de sofrer do efeito "fantasma" na tela, que acontece quando movimentos rápidos estão contidos nas cenas que estamos assistindo, já sua durabilidade varia entre 7 e 10 anos, e apresenta qualidade de alta definição, com um consumo menor de energia. Normalmente funcionava melhor em ambientes mais escuros, o que causava incômodo, pois tínhamos que movimentar a tela a todo momento, em busca de uma melhor posição para o aparelho, contudo estes problemas estão sendo sanados, como afirma o site ips-imageminteligente.blogspot.com, pois há pouco tempo a tecnologia IPS foi criada para TVs LCD, retirando este problema de reflexo de tela, que prejudica a imagem. Esta inovação tecnológica exibe uma imagem perfeita, mesmo que a claridade em excesso faça parte do ambiente.

Percebemos que ambas as tecnologias, tanto as empregadas na produção da TV em Plasma como na LCD, exibem constantemente a superação do próprio produto em si mesmo, e o que hoje é uma desvantagem, pois rapidamente pode ser modificado e apresentado produtos ainda mais modernos.

Em relação aos preços, a TV em Plasma fica em torno de R$ 2.849,05, como informa o site www.americanas.com.br com 51" e a TV LCD tem o valor de R$ 6.959,90 com 52", conforme o shopping.uol.com.br.

Os valores de ambas variam muito em relação à marca e modelo, por isso o consumidor deve ficar atento e usar a regra básica de pesquisar antes de comprar.

Por Mônica Palácio


Alguns consumidores afirmam que o áudio dos televisores LCD deixa a desejar em termos de potência, especialmente quando comparados aos antigos televisores com tubo de imagem (CRT). A realidade é que se trata de uma comparação desproporcional.

A potência de áudio está ligada a uma série de fatores, e dentre eles pode-se destacar o tipo de alto-falante que está sendo utilizado.

Equipamentos que exibem uma maior potência de áudio possuem alto-falantes maiores e mais robustos, capazes de produzir ondas sonoras mais intensas.

Nos antigos televisores equipados com tubo de imagem, o espaço interno permitia o emprego de alto-falantes de grandes tamanhos, de acordo com o projeto do equipamento. Dessa forma era possível instalar um alto-falante relativamente grande para que fosse possível atingir um valor mais alto de potência de áudio.

Nos modernos equipamentos de LCD é notável a falta de espaço interno para a instalação de alto-falantes maiores, o que obriga os fabricantes a empregarem dispositivos de pequenas dimensões, mas dotados de elevada sofisticação.

Sendo assim, aqueles que reclamam que o áudio de um televisor de LCD tem menor potência do que o áudio de um televisor antigo tem certa razão quanto à sua percepção (embora possam estar enganados do ponto de vista técnico), muito embora a qualidade de áudio nos televisores LCD sejam superiores, tanto pela tecnologia empregada na construção dos novos dispositivos, quanto pela adoção de padrões de áudio digitais (transmitidos juntamente com a imagem dos canais de TV Digital).

Por Luiz Moreira Filho


Uma pesquisa conduzida pela firma DisplaySearch revelou notícias surpreendentes sobre as novas tecnologias de TV.

Embora os aparelhos sejam produtos mundialmente consumidos e em alta demanda, os consumidores não se mostram muito entusiasmados para comprar uma TV de LED ou 3D. O motivo é um só: preço.

A China e a Rússia destacam-se sendo os dois únicos lugares no mundo onde os consumidores mostraram-se dispostos a considerar a compra de uma TV de LED para substituir uma 'tradicional' e até mesmo os consumidores japoneses – conhecidos por incentivar e adotar facilmente novas tecnologias – dizem que o fato de uma TV ser 3D caracteriza-se como 'importância mínima' quando pretendem comprar um aparelho.

A notícia vem de encontro com uma pesquisa feita pela Deloitte no ano passado, na qual os consumidores já previam que as TVs 3D não seriam um grande incentivo para novas compras. Alguns até mesmo reportaram 'sentir-se mal e enjoados' ao assistir à TV em 3D.

Em resumo: A TV LCD ainda continua sendo a grande campeã de popularidade entre os consumidores e não existem, no momento, sinais de que a tendência possa ser revertida (por um longo tempo).

Por Ana Rebello


O mercado de televisores é altamente competitivo. A necessidade em atender ao consumidor por meio de preços justos e tecnologias de ponta, transformando o modo como as pessoas veem sua programação preferida (agora existe interatividade, por exemplo), incitam as empresas a investirem todos os meses em novos modelos.

A H-Buster, que aos poucos conquista maiores fatias no mercado brasileiro, acaba de anunciar o lançamento de dois modelos LCD, um de 32 polegadas e outro de 42 polegadas. Ambos já possuem sistema de conversor digital integrado.

Os dois televisores (HBTV-32D03HD e HBTV-42D03HD) têm basicamente as mesmas características. Além de extremamente finos e de base com rotação de até 30º, há quatro entradas HDMI de alta resolução e a tecnologia Media Direct De-Interlacing (MDDi), que tem por característica promover realce de detalhes e cores mais vivas.

De acordo com o site Buscapé, o modelo HBTV-32D03HD pode ser encontrado com valor de R$ 1.044,91 e o HBTV-42D03HD por R$ 1.538,91.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


A maior produtora mundial de vidro de cristal líquido, Corning Inc., espera que suas vendas anuais cresçam mais de 50%, chegando aos US$ 10 bilhões até 2014. Esta previsão é devido a maior demanda por vidros ultrafinos, utilizados em monitores de TV, smartphones e tablets touchscreen.

O volume cada vez maior de venda de televisores tela plana LCD, computadores e dispositivos mobile gera uma grande necessidade de matéria prima para sua produção. Segundo a empresa, a procura por vidro para TVs LCD em 2011 ficará entre 3,6 bilhões e 3,8 milhões de metros quadrados.

Com a penetração cada vez maior de TVs em LCD no mercado americano, a China irá se tornar líder mundial em vendas de TV. Dado este fato, a Corning está com planos de construção de uma planta de 800 milhões de dólares, para a produção de LCD, em Pequim, planejando o início das operações para 2012.

Por A. Garcia


Cada vez mais sofisticadas e repletas de recursos e ainda mais charmosas com o advento das telas de LCD que logo se tornaram o principal sonho de consumo de muitas famílias no mundo todo, os televisores atuais cada vez seduzem mais, porém ao contrário do que poderia parecer, a indústria de televisores não passa por um momento tão bom assim.

Tanto é assim que executivos da área como o diretor da divisão de TVs da Sony, que no momento encontra-se deficitária, acreditam que os preços dos aparelhos devem sofrer uma queda até o final do ano no mercado norte-americano, conforme matéria do site G1. Isto se deve ao fato de haver um grande estoque no mercado e na avaliação do executivo com a agravante de que mesmo havendo uma baixa de preços isto poderá não fazer o mercado se expandir novamente.

Nem mesmo grandes lançamentos parecem poder contribuir para um aumento nas vendas, já que a Sony, terceira maior fabricante de televisores planos do mundo, lançou recentemente, no momento apenas para o mercado norte-americano, um modelo conectado ao Google que possibilita ao usuário rodar aplicativos, fazer pesquisas e assistir programas de televisão e conteúdo da WEB e já prevê que futuramente deverá reconsiderar o preço do Google TV, caso ele se distancie muito dos outros aparelhos. Inicialmente os preços começam em US$ 400 para o aparelho de 24 polegadas.

Indiferente a uma possível crise, se ela existir realmente, os consumidores do mundo todo esperam que os preços realmente diminuam, não só nos Estados Unidos, mas no mundo todo para quem sabe se tornar mais fácil a aquisição de um modelo LCD.

Por Mauro Câmara


Além de serem anunciadas quase diariamente, as novidades tecnológicas não param de surpreender. Nos últimos dias a rede mundial de computadores recebeu informações sobre novos televisores 3D (três dimensões) que não necessitam dos tradicionais óculos para o vislumbre de imagens tridimensionais.

Enquanto a realidade parece ainda estar um pouquinho distante, a alternativa é se valer das TVs 3D em comercialização vigente ou dos televisores de LCD. Preocupada com a tendência atual, a Samsung Electronics relatou por meio de Chang Wonkie, diretor para negócios de LCD da empresa, que a demanda mundial e os preços dessa modalidade (LCD) deverão permanecer anêmicos no último trimestre de 2010.

A desaceleração da demanda observada na Europa e também pelo resto do mundo, seja relacionados computadores ou TVs, explicam o momento pelo qual a Samsung se apresenta preocupada. Um agravante, neste caso, são as solicitações de fabricantes por preços mais amenos para, assim, aumentar a comercialização de TVs.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Folha UOL


A Bravia LCD HD 60 polegadas vem com conversor integrado KDL 60EX505, processador de imagem que diminui eventuais ruídos e aumenta o nível de qualidade das imagens, proporcionando uma visão de imagens belíssimas em alta definição (HD). A Bravia oferece também operação integrada com Home Theater Sony, permitindo controlar o sistema com toque de apenas um botão do controle remoto.

E a Bravia LCD HD 60 ainda é equipada com Blu-ray, que proporciona o realismo dos filmes reproduzidos no cinema, entrada USB para visualização de imagens no seu Pen Drive e escutar as suas músicas favoritas e assistir filmes que você baixou no seu computador. E, com a tecnologia Digital Living Netwoek Appliance, é possível acessar fotos, músicas e vídeos do seu computador na sua TV Bravia LCD HD 60, como se fosse o monitor do seu computador, um monitor de 60 polegadas. Tudo isso por R$ 8.599,00, em dez vezes sem juros.

Por Gerson de Morais


Pelo jeito a tecnologia 3D nos televisores ainda está longe de ser popular no Brasil. Segundo uma pesquisa feita pela Gfk com mil pessoas maiores de 18 anos em todo o país n mês de Maio, e publicada pelo site Info Plantão, as TVs de Plasma e LCD são os preferidos pela população.

62% das pessoas responderam que tem conhecimento sobre a nova tecnologia, mas mesmo assim preferem o LCD e o Plasma. Um detalhe: apesar do pouco interesse, TVs com tecnologia 3D estão na frente das TVs de LED. Apenas 15% preferem esta última, contra 27% da última.

Por trás do interesse pelas LCDs e Plasma parece estar o preço, já que 49% das pessoas responderam que optariam por uma TV 3D caso os preços estivessem na mesma faixa.

Por Maximiliano da Rosa


A Copa do Mundo veio a calhar muito bem ao Brasil. Agora, deve vir a pergunta Por quê?. Certo, há vários motivos plausíveis para a afirmativa inicial deste parágrafo. Um deles, óbvio, é o maior poder aquisitivo dos brasileiros de acordo com informações oficiais desde o final do ano passado por parte do governo e de especialistas. Juntam-se a esse fato o aumento de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano e a criação de novos empregos. Assim, a resposta está aí, na pontinha da língua.

O comércio, desde a proximidade do evento futebolístico, tem contabilizado lucros atrás de lucros, independente do segmento relacionado. Camisetas, artigos esportivos, comidas e bebidas indicam crescimento dentro de certas perspectivas. Um dos setores que muito tem comemorado é o de eletroeletrônicos, principalmente se o produto mencionado são televisores de última geração – Plasma, LCD ou LED.

José Domingos Alves, supervisor geral das Lojas Cem, relacionou durante reportagem expedida pelo portal de notícias G1 a falta de TV de LED de 32”, com vendas 100% maiores de maio a junho e 70% superiores às verificadas durante a Copa do Mundo na Alemanha, em 2006.

Adelino Colombo, presidente das Lojas Colombo, admite crescimento de 10% no faturamento de junho em detrimento ao período similar do ano passado, enquanto a rede Ponto Frio, mais notável nesse sentido, conferiu vendas 115% maiores nos primeiros dez dias do atual mês em relação ao intervalo igual de 2009.

Possivelmente, outros setores ilustrarão seus dados em breve. É bem provável que essa ascensão perdurará durante curto espaço de tempo, pois o aumento de inadimplência começou a ser constatado.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Não sei quanto à você, mas eu sou do tempo em que a gente podia agendar a gravação de qualquer programa na TV aberta através de um vídeo-cassete de quatro cabeças. Com a invenção do DVD player isso se perdeu, já que os gravadores de DVD não se popularizaram, e já não podemos gravar nossos programas prediletos para assistir a qualquer hora.

Mas isso está perto de mudar. Com a chegada da TV digital muitas portas se abrem. Uma das possibilidades é gravar o que está sendo exibido na TV direto na memória do aparelho.

Para isto basta que a TV possua o recurso de gravação e disponha de memória suficiente. Alguns modelos no futuro deverão contar com HDs de até 500 GB, espaço mais que suficiente para gravar várias horas de programação.

Um dos modelos que contarão com esse recursos deverão ser as TVs Samsung da série 8000, que logo estarão no mercado.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Planet tech


Um efeito, no mínimo interessante, tem acontecido dentro das fronteiras brasileiras. Aguçados por meio de propagandas, preços açucarados e formas de pagamento variadas, consumidores passaram a adquirir televisores de LCD e Plasma com grande voracidade.

Reportagem do portal dinheiro do UOL revela que o crescimento acima das previsões mais otimistas em relação ao comércio de televisores, nos primeiros três meses deste ano, ocasionou atraso na produção desses equipamentos, tanto que as lojas têm enfrentado problemas para entregar a mercadoria – atrasos superiores a duas semanas.

Estimativas dos próprios fabricantes indicavam aumento da demanda em 10% além do registrado no primeiro trimestre de 2009, porém, o índice tem alcançado expansão de até 30%.

A indústria de TV’s, situada em Manaus (AM), até dilatou a importação de componentes necessários para a confecção de televisores, porém, tanto a Infraero como a Receita Federal não tem conseguido tempo e condições hábeis para compor e liberar o volume aquém de produtos e componentes que chegam todos os dias nos aeroportos.

Será que esse aumento se deve ao maior poder aquisitivo da classe C? Um dia, com certeza, especialistas convergirão e poderão até dizer: essa casta é a que se encarrega de levar o Brasil adiante – Lula, recentemente, creditou positivamente a essa camada tal “responsabilidade”.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: UOL


Há mais de um ano a Philips anunciou que lançaria novos modelos de TVs LCD no formato 21:9, o mesmo utilizado nas telas de cinema. A justificativa para a mudança seria porque os consumidores estariam acostumados com formato das telas do cinema.

Este ano a Philips deve lançar novos modelos à venda, mas ainda não está confirmado se os modelos com o novo formato estão entre eles.

Por enquanto nenhuma outra fabricante de TVs informou qualquer mudança. O padrão das antigas TV com tubo era o 4:3, que distorcia as imagens do cinema e cortava parta das laterias ds imagens. Durante muitos anos, ninguém se importou muito com isso.

Então, com a chegada das TVs de Plasma e LCD, a indústria adotou o padrão 16:9, chamado de Widescreen, mais próximo do formato das telas de cinema. E por enquanto, esse é o que prevalece absoluto.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Webinsider


Sony, Samsung e LG já tem suas TVs 3D, e a tendência é que esse trio domine o mercado mundial. Com a chegada da Copa do Mundo, a fabricação deve se acelerar, pois espera-se um aumento nas vendas de aproximadamente 45 por cento.

É claro que muitas outras fabricantes de produtos eletrônicos não querem ficar para trás e pretendem abocanhar uma fatia desse mercado promissor. Por isso, algumas delas já começaram a se mexer. Entre essas estão duas gigantes: Sharp e Panasonic.

Com antecedência de 3 meses em relação ao planejado, a Panasonic deve ampliar em 60% a capacidade de produção com o início das operações de sua nova fábrica de TVs LCD na cidade Himeji, no Japão.

O mesmo deve acontecer com a Sharp, que planejava dobrar a capacidade de produção da unidade de Sakai apenas em Outubro. Os novos planos são de fazer isso já no mês de Julho, devido a pedidos de clientes.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Reuters


Não é difícil descobrir produtos que há um ano atrás eram vendidos pelo dobro do preço, e que agora estão muito mais baratos só porque estão ultrapassados. Aliás, esse conceito de estar ultrapassado é muito relativo. TVs com telas de CRT estão ultrapassadas, claro. TV 3D é o que há de mais novo e avançado em matéria de tecnologia.

Mas enquanto a última sequer dispõe de conteúdo, e custa muito mais caro, uma boa TV com tela CRT ainda tem muito a oferecer. Talvez não dê para ver a Copa do Mundo em imagem digital. No entanto, acredito que uma boa antena UHF numa TV 29 polegadas com tela plana seja mais que suficiente.

Vejamos o caso das TVs LCD. A última palavra sãos as TVs de LED. Elas tem imagem mais nítida, sã mais finas, e gastam menos energia. E são mais caras. Em contrapartida os preços das LCD estão caindo vertiginosamente e acredito que dias antes da Copa devem vir uma enxurrada de promoções.

Por Maximiliano da Rosa





CONTINUE NAVEGANDO: